Método Canvas – Um facilitador

Imagem-destacada-Eu-heroi-Canvas
Moby-click-apresentacoes

Se você tem dificuldade em organizar suas ideias e colocá-la no papel, saiba que existem várias ferramentas disponíveis para facilitar esse processo e destaco aqui a mais falada hoje em dia, o Canvas. A ferramenta mais utilizada na atualidade no planejamento de negócios inovadores, permite que qualquer empreendedor desenvolva suas idéias de negócio ou até mesmo repense um modelo de negócio já existente, através de um mapa visual.

Mas antes de conhecer o Canvas, se você precisa conhecer uma ferramenta preciosa que é o MindMap, o famoso mapa mental que pode ser utilizado na etapa anterior ao preenchimento do Canvas. Se você já conhece, ótima, então vamos em frente.

Tive o meu primeiro contado com o Canvas, quando estava de bobeira na Livraria Cultura e de repente me deparo com o livro Business Model Generation, que pela capa me chamou muita atenção principalmente pelo fato de dizer que era um livro para visionários, inovadores e revolucionários. Não que eu pertença a algum desses adjetivos, mas confesso que isso fez despertar um grande interesse pelo assunto.

 

Business Model Generation

 

Afinal, o que é o método Canvas?

Muitos consideram que o método Canvas é algo que só cabe para startups porque não precisam necessariamente de um Plano de Negócios parrudão. Mero engano. Tudo bem que faz do vocabulário dos empreendedores da nova economia, mas essa ferramenta, criada por Alex Osterwalder e Yves Pigneur (2008), é uma linguagem comum que permite descrever, analisar e orientar organizações em como podem criar novos (inovar) ou alterar modelos de negócios já existentes trazendo praticidade e principalmente dinamicidade na análise das organizações.

Diferente do Plano de Negócios, que detalha tudo sobre a empresa, desde a análise da concorrência às projeções financeiras, um modelo de negócios se concentra no como representar os processos e estratégias de uma empresa e em como ela oferece valor aos seus clientes, obtém lucro e se mantém de forma sustentável por um período de tempo.

Canvas

Como funciona?

Na prática, o Canvas funciona assim: em um quadro ou folha de papel, o esquema da empresa é desenhado com nove blocos, cobrindo as quatro áreas mais importantes de qualquer negócio: clientes, oferta, infraestrutura e viabilidade financeira. O ideal é que esse esquema fique à vista o tempo inteiro, para que sócios e funcionários da companhia possam ver e sugerir mudanças no dia a dia. Os nove componentes são:

  1. Proposta de valor
  2. Segmento de clientes
  3. Canais
  4. Relacionamento com clientes
  5. Recursos-chave
  6. Parcerias-chave
  7. Atividades-chave
  8. Custos
  9. Receitas

Como no design thinking, aqui também é comum ver muitos post-its colados: para alterar um tipo de cliente, por exemplo, basta amassar um papel amarelo e trocar por outro.

Quem utiliza?

Grandes empresas como 3M, Ericsson e Deloitte são citadas na versão original do livro. Na edição brasileira, organizações Globo e Votorantim entraram na lista das que usam esse método. Dentre as startups, não é exagero dizer que todas usam ou em algum momento vão ter que usar o método ou formas adaptadas dele.

Exemplo de como preencher

Começamos preenchendo da direita para a esquerda, sendo o primeiro o bloco Segmentos de Clientes, buscando mapear para quem se está criando valor e quem são os potenciais clientes para os objetivos pretendidos. Exemplos de segmentos de clientes são: Estudantes da classe C, homens casados e com filho, mulheres que ocupam cargos de confiança, idosos, consumidores de São Paulo, etc.

Business-Model-Canvas-Segmentos-de-Clientes

No bloco Proposta de Valor são criadas propostas que atendam a determinadas necessidades dos potenciais clientes, sempre tendo os objetivos de negócio norteando a dinâmica. Exemplo de propostas de valor podem ser conveniência, promover network, melhorar a produtividade, minimizar erros, entre outros.

Business-Model-Canvas-Proposta-de-Valor

Uma vez que já se tem uma prévia de clientes potenciais e propostas de valor, é necessário pensar em como fazer com que estes dois elementos fundamentais se encontrem. Logo, são definidos e sugeridos os Canais de Distribuição, como entrega à domicílio, site de conteúdo, newsletter, atendimento presencial, entre outros, através dos quais será possível distribuir e entregar as propostas de valor.

Business-Model-Canvas-Canais-de-Distribuição

Também é preciso entender como se dará os Relacionamentos com os Clientes, que deve ter o propósito de fortalecer o envolvimento do cliente com o negócio. São exemplos de relacionamentos com clientes um canal de perguntas e respostas, ouvidoria, SAC, atendimento pós-venda e serviços automatizados.

Business-Model-Canvas-Relacionamento-com-os-clientes

Por fim, na dimensão direita, temos as Linhas de Receita, que registram como a solução em construção pretende gerar receitas, tendo como base as propostas de valor sugeridas. Alguns exemplos: Venda de assinaturas mensais, venda direta, retorno em publicidade paga e aluguel.

Business-Model-Canvas-Estrtura-de-custo

Na parte esquerda do Canvas temos algumas definições mais objetivas, que irão sustentar os elementos mapeados na dimensão direita.

Os Recursos-Chave são os recursos ligados diretamente ao funcionamento do modelo de negócio. Podem ser equipes, máquinas, investimentos e plataformas de tecnologia, por exemplo.Business-Model-Canvas-Recursos-chave

 

As Atividades-Chave são todas as atividades sem as quais não seria possível atender as propostas de valor, construir os canais necessários e manter os relacionamentos. Podem ser atividades-chave desde acompanhar redes sociais, até construir uma loja.

Business-Model-Canvas-Atividades-chave

Já os Parceiros-Chave são todos aqueles que podem contribuir tanto com as atividades-chave quanto com os recursos-chave. Algumas parcerias, como as de fornecedores de tecnologia, podem disponibilizar máquinas para atender a algum recurso-chave. Outras parcerias podem contribuir com pessoas ou realizando diretamente alguma das atividades-chave, como monitorar redes sociais.

Business-Model-Canvas-Parcerias-chave

Representando os custos necessários para se manter e construir toda a solução proposta, há o bloco Estrutura de Custos, que indica, por exemplo, a necessidade de se Pagar a manutenção das máquinas previstas, os pagamentos dos parceiros contratados, o custo recorrente de infraestrutura, o custo das equipes envolvidas, e assim por diante.

O Canvas é uma ótima ferramenta para quem está iniciando uma ideia, uma empresa ou para quem quer caprichar no Pitch de um projeto. Mas, assim como muitos teóricos, não acredito que esse método seja um substituto do Plano de Negócios, muito pelo contrário, é uma ferramenta complementar. Além de funcionar muito bem quando o objetivo é pivotar novos negócios.

Canvas na Web

Quer construir o seu Canvas? Utilize a ferramenta Sebrae Canvas a qualquer momento, sem necessidade de instalação. É só se cadastrar e usar. Aproveite!

macbook-canvas

Comentários

Ronnie Magalhães

Pós-graduando em Empreendedorismo e Novos Negócios pela Business School São Paulo. Bacharel em Publicidade e Propaganda pela Universidade Anhembi Morumbi, com especialização em E-commerce e Projetos Web.

Possui conhecimentos e habilidades em planejamento e desenvolvimento de planos de comunicação, estratégias de relacionamento e gestão de canais em mídias sociais, gerência e controle de campanhas, análise e mensuração de resultados. Experiência na integração de projetos com Analytics, Search Engine Marketing, Search Engine Optimization. Certificado Google Advertising Professional.

Newsletter

Newsletter Eu Herói- Cadastre-se

Parceiros

  • Banner-Moby-Click-Apresentacoes.jpg
  • Publicidade-Google-Adwords.jpg
  • Banner-QualificaSP-Curso-Empreendedorismo.png